Que condições podem dificultar a cicatrização de feridas crônicas?

Renan Alves Silva, Editor de seção e vice editor de Marketing Digital Rev Rene, Professor do Curso de Enfermagem na Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Universitário do Norte do Espírito Santo, São Mateus, ES, Brasil. E-mail: renan.dehon@gmail.com

Ana Fátima Carvalho Fernandes, Editora-chefe da Rev Rene, Professora do Curso de Enfermagem e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem na Universidade Federal do Fortaleza, CE, Brasil. E-mail: afcana@ufc.br

As úlceras venosas, causadas pela insuficiência venosa crônica, são as mais frequentes pela elevada incidência podendo repercutir em alto custo, duração do tratamento e constante recidiva (AL-GHARIBI; SHARSTHA; AL-FARAS, 2018). Assim, pessoas com essas feridas podem apresentar dor, secreção purulenta, odor fétido, diminuição da mobilidade e desconfortos, o que dificulta essa situação (ARAÚJO et al., 2016). No entanto, ainda é incipiente a produção científica que relacione as condições sociodemográficas, os hábitos comportamentais e atributos com o agravamento de feridas (AZEVEDO; COSTA; FERREIRA JÚNIOR, 2018).

Nesse sentido, pesquisadores paraibanos da Universidade Federal de Campina Grande, publicaram na Rev Rene (vol. 21), o artigo “Fatores preditores ao agravamento de feridas crônicas”, com o intuito de analisar os fatores preditores ao agravamento de feridas crônicas. Por meio de um estudo quantitativo, transversal com 47 pacientes de Unidades de Saúde da Família do município de Cuité, PB, que apresentavam feridas crônicas, com idade igual ou superior a 18 anos e acompanhados no referido serviço durante os meses de dezembro de 2018 a junho de 2019. Por meio da pesquisa, investigou-se a relação de aspectos socioeconômicos, hábitos comportamentais, atributos das feridas e de avaliação da evolução das feridas, por meio do Bates-Jensen Wound Assessment Tool buscando avaliar o tamanho, profundidade, bordas, descolamento, tipo e quantidade de tecido necrótico, tipo e quantidade de exsudato, edema e endurecimento do tecido periférico, cor da pele ao redor da ferida, tecido de granulação e epitelização. Em seguida, foram atribuíras as pontuações, o qual implica a gravidade ou condições da ferida.

Constatou-se relação entre o uso de tabaco e nutrição hipocalórica com o agravamento das feridas crônicas. Diferenças médias significativas dos escores do Bates-Jensen Wound Assessment Tool foram encontradas com a presença do odor fétido, edema e avaliação da dor com o aumento da gravidade da ferida e os sinais de infecção. Esses fatores foram capazes de explicar 53% da variação dos resultados da gravidade da ferida. A presença de cada fator foi capaz de aumentar em até quase seis pontos o escore final do Bates-Jensen Wound Assessment Tool.

Os achados deste estudo confirmam que é possível executar cuidado de enfermagem norteado em preceitos científicos considerando a interação complexa de fatores fisiológicos e sociais. A natureza multifatorial das feridas crônicas implica em dificuldades para seu manuseio, bem como, a necessidade de qualificação da equipe de enfermagem para tomada de decisão assertiva. Ainda, é possível vislumbrar que o reconhecimento dos fatores supracitados embasa melhor tomada de decisão na área de Enfermagem, o que implica processo de cicatrização mais rápido, com menor custos financeiros, físicos e psicossociais para pacientes com feridas crônicas. Portanto, acredita-se que a evolução da ferida também possa ser determinada por características sociodemográficas, hábitos comportamentais e atributos de feridas crônicas. Por fim, sugerem-se estudos longitudinais para o esclarecimento quanto a relação de causa-efeito.

Referências

AL-GHARIBI, K.A.; SHARSTHA, S. and AL-FARAS, M.A. Cost-effectiveness of wound care: a concept analysis. SQU Med J. [online]. 2018, vol. 18, no. 4, pp. e433-439. e-ISSN: 2075-0528 [viewed 17 September 2020]. DOI: 10.18295/squmj.2018.18.04.002. Available from: https://journals.squ.edu.om/index.php/squmj/article/view/2983

ARAÚJO, R.O., et al. Impacto de úlceras venosas na qualidade de vida de indivíduos atendidos na atenção primária. Aquichan [online]. 2016, vol. 16, no. 1, pp. 56-66. E-ISSN: 2027-5374 [viewed 17 September 2020]. DOI: 10.5294/aqui.2016.16.1.7. Available from: https://aquichan.unisabana.edu.co/index.php/aquichan/article/view/5574/ 

AZEVEDO, I.C.; COSTA, R.K.S. and FERREIRA JÚNIOR, M.A.  Perfil da produção científica da enfermagem nacional sobre feridas. Rev Cubana Enfermería [online]. 2018, vol. 34, no. 1. ISSN: ISSN 1561-2961 [viewed 17 September 2020]. Available from: www.revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/rt/printerFriendly/1440/339

Para ler o artigo, acesse

SILVA, A.L.D.A., et al. Predictive factors for worsening chronic wounds. Rev Rene [online], 2020, vol. 21, e43615. e-ISSN: 2175-6783 [viewed 17 September 2020]. DOI: 10.15253/2175-6783.20202143615. Available from: http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/43615/161805

Links externos

Link Rev Rene: http://www.periodicos.ufc.br/rene

Link Revenf: http://www.revenf.bvs.br/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

SILVA, R. A. and FERNANDES, A. F. C. Que condições podem dificultar a cicatrização de feridas crônicas? [online]. BlogRev@Enf, 2020 [viewed ]. Available from: https://blog.revenf.org/2020/10/02/que-condicoes-podem-dificultar-a-cicatrizacao-de-feridas-cronicas/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Post Navigation