Por que estamos falando de Florence Nightingale em 2020?

Maria Itayra Padilha, Docente titular da Universidade Federal de Santa Catarina e visitante da Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo, Florianópolis, SC, Brasil. E-mail: itayra.padilha@ufsc.br

O artigo “De Florence Nightingale à pandemia COVID-19: o legado que queremos” publicado no periódico Texto & Contexto Enfermagem (vol. 29), apresenta uma reflexão acerca do cenário vivido pela humanidade assolada pela pandemia SARS-CoV-2, a COVID-19, que obrigou a todos a se reinventarem, em todos os sentidos, diante de algo desconhecido da maior parte da população. Por outro lado, tornou-se visível algo que sempre existiu e que por ser parte do cotidiano, não era percebido em termos de importância ou valor. Referindo-se especificamente aos profissionais de enfermagem na linha de frente do cuidado aos doentes acometidos pela doença.

Este texto, ao contextualizar passado e presente, traçando as pontes para o futuro, inicia apontando os aspectos fundamentais da trajetória de Florence Nightingale como primeira empreendedora e cientista Enfermeira, fundadora da enfermagem moderna em todo o mundo por meio de avanços, inovações, cientificidade e correlação de seus princípios com a atualidade. Fazendo um contraponto com a herança de Florence Nightingale e outras enfermeiras menos influentes mundialmente, como Mary Seacole e Anna Nery, refletindo historicamente sobre a atuação da enfermagem nas grandes guerras e epidemias até o momento presente, correlacionando as práticas e o modo como a enfermagem constitui-se como profissão, o artigo provoca reflexões a partir da seguinte questão: quais as razões deste momento ser diferente dos anteriores? Nunca ficou tão evidente a correlação entre a COVID-19 e as metas da campanha Nursing Now, traçadas em 2018, e seu significado durante e pós pandemia, assim como a ampliação da visibilidade da enfermagem. É também um momento político! Como enfermeiras que se empenham em mostrar sua expertise, em todos os campos de trabalho e de conhecimento, a hora é agora de fortalecer nossa identidade e a imagem profissional que desejamos fixar na sociedade e manter para o futuro.

Com isso, a história será reescrita retirando do imaginário o “anjo de branco”, “super-herói”, mas sim, profissionais competentes, comprometidos com a prática, com o ensino, com a pesquisa e atentos em fazerem-se presentes nos meios de comunicação de amplo espectro, apontando a Enfermagem como profissão essencial para tratar da saúde, devendo ser valorizada nas adequadas condições de trabalho e salários dignos. As enfermeiras devem continuar a serem, sim, parte da solução dos desafios de saúde que a sociedade enfrenta, indo ao encontro de suas vozes individuais, tornando-as coletivas e vivendo literalmente o conceito do Nursing Now para além da campanha. Deste modo, a expertise poderá ser utilizada em prol de um benefício maior para as lutas da profissão, e que o reconhecimento da sociedade não se perca.

A história continuará a ser a nossa referência, e os preceitos de Florence Nightingale e outros modelos fortalecerão o nosso compromisso com o conhecimento, para melhor enfrentar as mudanças globais, e suas implicações para a saúde pública. “Então, com o mundo fazendo fila para celebrar as enfermeiras e nos dar o nosso momento no centro das atenções, capitalizaremos, verdadeiramente, essa oportunidade sem precedentes? Ou apenas nos parabenizamos, desfrutamos do brilho imediato do reconhecimento e voltamos às nossas maneiras características de envolvimento com as questões de Enfermagem. Espero sinceramente que possamos avançar coletivamente para enfrentar nossos desafios (políticos, relacionais, estruturais, atitudinais ou probatórios) e usar esse incrível alinhamento das estrelas como catalisador da ação da Enfermagem” (CASSIANI et al., 2020, p. 2).

Referências

CASSIANI, S.H. de B., et al. La situación de la enfermería en el mundo y la Región de las Américas en tiempos de la pandemia de COVID-19. Rev Panam Salud Publica [online]. 2020, vol. 44, e64. e-ISSN: 1680-5348 [viewed 30 November 2020]. https://doi.org/10.26633/RPSP.2020.64. Available from: https://scielosp.org/article/rpsp/2020.v44/e64/es/

Para ler o artigo, acesse

PADILHA, M.I. De Florence Nightingale à pandemia COVID-19: o legado que queremos. Texto contexto – enferm. [online]. 2020, vol. 29, e20200327. ISSN: 1980-265X [viewed 30 November 2020].  http://dx.doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2020-0327. Available from: http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072020000100215&lng=pt&nrm=iso

Links externos

Texto & Contexto: http://www.textoecontexto.ufsc.br

Texto & Contexto no SciELO: http://www.scielo.br/tce

Facebook: https://www.facebook.com/tceufsc/

Twitter: https://twitter.com/ContextoTexto

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

PADILHA, M. I. Por que estamos falando de Florence Nightingale em 2020? [online]. BlogRev@Enf, 2020 [viewed ]. Available from: https://blog.revenf.org/2020/12/18/por-que-estamos-falando-de-florence-nightingale-em-2020/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Post Navigation