Como os enfermeiros enfrentam a morte no contexto da pandemia por COVID-19?

Lucila Castanheira Nascimento, Professora titular, Editora associada da RLAE; Andrea Bernardes, Professora associada, Editora associada da RLAE, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo/Centro Colaborador da OPAS/OMS para o Desenvolvimento da Pesquisa em Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

https://br.freepik.com/fotos-gratis/jovem-medica-com-estetoscopio-e-mascara-facial-isolada-na-parede-branca_14963386.htm

O artigo “A pandemia por COVID-19 e as atitudes dos enfermeiros frente à morte“, publicado na Revista Latino-Americana de Enfermagem (vol. 29), abordou como os enfermeiros enfrentaram a morte de seus pacientes no contexto hospitalar durante a pandemia de COVID-19, e destacou que a atitude predominante foi de aceitação neutral/neutralidade e medo. A aceitação neutral/neutralidade estava relacionada à atitude que a morte faz parte do processo natural da vida. O medo da morte também foi uma atitude presente, principalmente entre enfermeiros casados ou com união estável, que se preocupavam em não ser o veículo transmissor da infecção para seus familiares.

Este estudo quantitativo, exploratório e transversal, foi realizado em um Centro Hospitalar Universitário localizado no norte de Portugal. O estudo incluiu 995 enfermeiros, que atendiam pacientes com COVID-19 ou pacientes não contaminados, internados nas áreas médica, cirúrgica e de cuidados intensivos.  Os dados foram coletados entre os dias 5 e 31 de maio de 2020, por meio de um questionário de autopreenchimento com características sociolaborais e uma e Escala de Avaliação do Perfil de Atitudes acerca da Morte (EAPAM) (LOUREIRO, 2010), traduzida e validada para a população portuguesa. O instrumento é composto por 32 questões fechadas, com respostas do tipo Likert, variando de um (discordo totalmente) a sete (concordo totalmente). Esses 32 itens abordam cinco dimensões: Medo, Evitamento, Aceitação Neutral/Neutralidade; Aceitação como Aproximação e Aceitação como Escape. Os dados foram analisados com estatística descritiva e inferencial.

Este estudo atendeu à necessidade de identificar as atitudes de enfermeiros frente à morte de seus pacientes durante a pandemia de Covid-19, isto porque a pandemia gerou um aumento nas taxas de mortalidade em um curto período (BUHEJI; BUHAID, 2020). Pôr a morte ser um processo natural da vida, a maioria dos participantes concordou com o aspecto de Aceitação Neutral/Neutralidade. As outras atitudes dependeram de influências externas, como suas crenças e convicções pessoais. Os enfermeiros entre os 36-45 e 46-55 anos tiveram maior atitude de aceitação sobre a morte, pois davam ênfase às suas crenças e convicções. Os enfermeiros com idade superior a 56 anos tinham atitudes de aceitação como o escape, uma vez que viam a morte como um fim para o sofrimento, principalmente pelo coronavírus ser mais letal conforme o avanço na idade (ROTHAN; BYRAREDDY, 2020). A atitude de escape ocorreu também com enfermeiros da área cirúrgica, pois eles não tinham em sua rotina diária a vivência de morte, e esse contexto se modificou quando passaram a atender pacientes com COVID-19.

Portanto, esse estudo salienta a exaustão dos enfermeiros em cuidar de pacientes com COVID-19 e como isso pode repercutir nas percepções sobre a morte. Existe a necessidade de investir na qualificação dos profissionais de enfermagem para o enfrentamento da morte, principalmente porque o contexto pandêmico evidenciou as atitudes de medo e evitamento. Ademais, esse estudo indica que

essa qualificação poderia minimizar os efeitos negativos das experiências com morte em enfermeiros e prepará-los para situações singulares de atuação, como pandemias e catástrofes.

Referências

BUHEJI, M., and BUHAID, N. Nursing human factor during COVID-19 Pandemic. Int J Nurs. [online]. 2020, vol. 10, no. 1, pp. 12-24. e-ISSN: 2167-745X [viewed 21 September 2021]. https://doi.org/10.5923/j.nursing.20201001.02. Available from: http://article.sapub.org/10.5923.j.nursing.20201001.02.html

LOUREIRO, L.M. de J. Tradução e adaptação da versão revista da Escala de Avaliação do Perfil de Atitudes acerca da Morte (EAPAM). Rev. Enf. Ref. [online]. 2010, vol. 3, no. 1, pp. 101-108. ISSN: 0874-0283 [viewed 21 September 2021]. Available from: http://scielo.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0874-02832010000300011&lng=pt&nrm=iso

ROTHAN, H.A., and BYRAREDDY, S.N. The epidemiology and pathogenesis of coronavirus disease (COVID-19) outbreak. J Autoimmun. [online], 2020, vol. 109, pp. 102433. ISSN: 0896-8411 [viewed 21 September 2021].  https://doi.org/10.1016/j.jaut.2020.102433. Available from: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0896841120300469?via%3Dihub

Para ler o artigo, acesse

CARDOSO, M.F.P.T., et al. The COVID-19 pandemic and nurses’ attitudes toward death. Revista Latino-Americana de Enfermagem [online]. 2021, vol. 29, e3448. ISSN: 1518-8345 [viewed 21 July 2021]. https://doi.org/10.1590/1518.8345.4769.3448. Available from: https://www.scielo.br/j/rlae/a/8wkzmmpmrmXtYNcXNRRP3wx/?lang=en#

Links externos

http://rlae.eerp.usp.br

https://www.scielo.br/rlae

https://www.facebook.com/rlae.nursing

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

NASCIMENTO, L. C. Como os enfermeiros enfrentam a morte no contexto da pandemia por COVID-19? [online]. BlogRev@Enf, 2021 [viewed ]. Available from: https://blog.revenf.org/2021/10/01/como-os-enfermeiros-enfrentam-a-morte-no-contexto-da-pandemia-por-covid-19/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Post Navigation