Consulta de enfermagem para pessoas com hemofilia

Iara Alves Feitoza de Andrade, Mestranda na Universidade Federal de Pernambuco, Enfermeira do HEMOPE, Recife, PE, Brasil. 

Tânia Maria Rocha Guimarães, Professora adjunta, Universidade de Pernambuco, Enfermeira do HEMOPE, Recife, PE, Brasil. 

Íris Maciel Costa, Enfermeira do HEMOPE, Recife, PE, Brasil. 

Neuza Cavalcanti de Morais Costa, Enfermeira do HEMOPE, Recife, PE, Brasil. 

https://br.freepik.com/fotos-gratis/amostras-de-sangue-em-um-suporte-para-tubos-de-ensaio_11309578.htm#page=1&query=tubos%20com%20sangue&position=49

Visando melhorar a qualidade da consulta de enfermagem para PcH, um grupo de enfermeiras do ambulatório de coagulopatias de um serviço referência de hematologia do Nordeste brasileiro e uma residente de enfermagem em hematologia realizaram o estudo intitulado: “Construção e validação de instrumento de consulta de enfermagem para pessoas com hemofilia” publicado no periódico Cogitare Enfermagem (vol. 26). O objetivo do estudo foi construir e validar um instrumento de consulta de enfermagem para pessoa com hemofilia. O conteúdo inicial do instrumento foi definido segundo modelo do Hemovida Web-Coagulopatias do Ministério da Saúde porque o levantamento bibliográfico realizado não encontrou artigos sobre instrumento de consulta de enfermagem para hemofilia, tanto nacional como internacionalmente.

A pesquisa metodológica com validação de conteúdo e aparência do instrumento foi realizada pela técnica Delphi com 29 enfermeiras juízas, divididas em 3 grupos: nove especialistas em hemofilia, de nove hemocentros do país, definida por amostragem de bola de neve, propiciando maior confiabilidade e legitimidade ao instrumento; oito com residência em hematologia e 12 enfermeiras do serviço, todas com experiência de mais de três anos no atendimento a PcH. A ficha de avaliação analisou: A. Grau de dificuldade de preenchimento; B. Grau de relevância das características: objetividade, simplicidade, clareza, pertinência, precisão, credibilidade e cientificidade; C. Grau de satisfação sobre aparência do instrumento: apresentação, clareza das questões, facilidade de leitura, interpretação e representatividade. A concordância entre as juízas foi verificada pela escala Likert e teste exato de Fisher. Foram considerados válidos os itens com no mínimo 85% de concordância.

O instrumento foi considerado válido, proporcionando autonomia, apoio técnico e respaldo ético ao enfermeiro do serviço, contribuindo na melhoria da qualidade da assistência. Verificou-se que 89,6% das enfermeiras juízas não apresentaram dificuldade para compreender o instrumento. Quanto ao grau de relevância, as características ‘credibilidade’ e ‘cientificidade’ apresentaram maiores percentuais de extremamente relevante (90%). A versão final do instrumento foi aplicada a uma amostra de 30 PcH, por meio de um teste piloto, e não houve dificuldade de aplicação pelas enfermeiras do ambulatório. O instrumento foi implantado no serviço em formato eletrônico, e enfermeiros de outros hemocentros do Nordeste do país estão sendo treinados para seu uso.

Segundo recomendações de especialistas em coagulopatias hereditárias do Nordeste brasileiro sobre o papel da enfermeira na assistência de pessoas com hemofilia, descreve a importância do uso de instrumentos validados: “A consulta de enfermagem à pessoa com hemofilia deve ser realizada em todos os centros de tratamentos de hemofilia, por meio de instrumento padronizado e validado, aplicado por enfermeira com experiência em coagulopatias hereditárias”. As recomendações podem auxiliar na prática, garantindo sua liderança, seu papel na consulta, com autonomia para selecionar pacientes que são candidatos a tratamento de profilaxia, solicitar exames laboratoriais de acordo com protocolos internos e participar da decisão terapêutica (COSTA et al., 2020).

Referências

COSTA, N. C. de M., et al. North-eastern Brazilian recommendations for the nurse professional role on the pharmacokinetic-assisted prophylaxis individualization for haemophilia. Haemophilia [online]. 2020, vol. 26, no. 3, e120-e123. e-ISSN: 1365-2516 [viewed 23 June 2021]. https://doi.org/10.1111/hae.13934. Avaliable from: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/hae.13934

Para ler o artigo, acesse

ANDRADE, I. A. F. de, et al. Construção e validação de instrumento de consulta de enfermagem para pessoas com hemofilia. Cogitare enferm. [online]. 2021, vol. 26, e74467. e-ISSN: 2176-9133 [viewed 23 June 2021]. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v26i0.74467. Available from: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/74467/pdf

Links externos:

www.cogitare.ufpr.br

http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?script=sci_issues&pid=1414-8536&lng=pt&nrm=iso

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

ANDRADE, I. A. F., GUIMARÃES, T. M. R., COSTA, I. M. and COSTA, N. C. M. Consulta de enfermagem para pessoas com hemofilia [online]. BlogRev@Enf, 2021 [viewed ]. Available from: https://blog.revenf.org/2021/07/30/consulta-de-enfermagem-para-pessoas-com-hemofilia/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Post Navigation