Deseja amamentar? É possível sem sofrer com o “empedramento” nas mamas

Flaviana Vely Mendonça Vieira, Professora efetiva, Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil. 

Aline Gabriele Ribeiro da Silva, Mestranda, Faculdade de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil. 

Flávia Silva e Oliveira, Doutoranda, Faculdade de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil.

Janaína Valadares Guimarães, Professora efetiva, Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil. 

Pesquisadores e professores da área materna da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Goiás, realizaram um estudo com 136 gestantes. Publicaram o estudo no volume 25 da REME – Revista Mineira de Enfermagem, com o título “Demonstração clínica no pré-natal para o manejo da prevenção do ingurgitamento mamário: estudo quase-experimental”. Este estudo teve como objetivo, investigar se as orientações sobre amamentação, fornecidas durante o pré-natal, auxiliavam no manejo e prevenção do ingurgitamento mamário. Pois, durante a amamentação, em torno de 70% das mães sofrem com o ingurgitamento mamário, sendo mais frequente nas que amamentam pela primeira vez (BERENS; BRODRIBB, 2016), e com ocorrência a partir do terceiro dia de pós-parto (ANDERSON et al., 2020).

As participantes do estudo foram gestantes, divididas em dois grupos: um grupo recebeu a educação em saúde durante o pré-natal sobre amamentação com demonstração clínica e o outro grupo não recebeu essa intervenção. Na conversa entre o pesquisador e a gestante foi oportunizada à mulher compreender como é a técnica correta de amamentação (posição entre mãe e bebê, pega e sucção pelo bebê), massagem e ordenha manual nas mamas como prevenção e manejo do ingurgitamento mamário, e a importância do aleitamento materno exclusivo e em livre demanda. Vídeos e fotos reais foram apresentados à gestante, para que ela pudesse entender a fisiologia das mamas e da amamentação, bem como as alterações das mamas que ela poderia identificar no pós-parto. Com a supervisão do pesquisador, uma mama didática foi utilizada para que a gestante treinasse a técnica correta de massagem e ordenha manual das mamas.

Ao comparar os grupos no pós-parto, foi observado que as mulheres que receberam essa educação em saúde com demonstração clínica, apresentaram técnica adequada da amamentação, em especial na posição entre mãe e bebê e sucção pelo bebê. Outro resultado muito importante foi que 72,5% das mães grupo foram capazes de adotar as medidas de prevenção do ingurgitamento mamário, por meio da observação das condições das mamas, massagem e ordenha manual das mamas.

Ainda cabe destacar que a demonstração clínica, propiciou a adoção de comportamentos de proteção ao aleitamento materno: restrição ao uso de bicos e chupetas, e interrupção da mamada com a interposição do dedo mínimo na lateral da boca do bebê. Concluindo, a intervenção favoreceu o pensamento crítico das mulheres ao proporcionar conhecimentos do processo anatômico e fisiológico da amamentação, resultando no manejo adequado do ingurgitamento mamário pela própria mulher.

Referências

ANDERSON, L., et al. Effectiveness of breast massage for the treatment of women with breastfeeding problems: a systematic review. JBI Database System Rev Implement Rep. [online]. 2019, vol. 17, no. 8, pp. 1668-1694. ISSN: 2689-8381 [viewed 16 July 2021]. https://doi.org/10.11124/JBISRIR-2017-003932. Available from: https://journals.lww.com/jbisrir/Abstract/2019/08000/Effectiveness_of_breast_massage_for_the_treatment.14.aspx

BERENS, P., BRODRIBB, W., and Academy of Breastfeeding Medicine. ABM clinical protocol #20: engorgement, revised 2016. Breastfeed Med [online]. 2016, vol. 11, no. 4, pp. 159-163. [viewed 16 July 2021]. http://doi.org/10.1089/bfm.2016.29008.pjb.  Available from: https://www.liebertpub.com/doi/10.1089/bfm.2016.29008.pjb

Para ler o artigo, acesse

OLIVEIRA, F. S., et al. Demonstração clínica no pré-natal para o manejo da prevenção do ingurgitamento mamário: estudo quase-experimental. REME – Rev Min Enferm. [online]. 2021, vol. 25, e-1365. e-ISSN: 1415-2762 [viewed 2 June 2021]. http://www.dx.doi.org/10.5935/1415.2762.20210013. Available from: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1558

Links externos:

http://www.reme.org.br/Home

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

VIEIRA, F. V. M., SILVA, A. G. R., OLIVEIRA, F. S. and GUIMARÃES, J, V. Deseja amamentar? É possível sem sofrer com o “empedramento” nas mamas [online]. BlogRev@Enf, 2021 [viewed ]. Available from: https://blog.revenf.org/2021/08/06/deseja-amamentar-e-possivel-sem-sofrer-com-o-empedramento-nas-mamas/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Post Navigation